sábado, 3 de novembro de 2007

Não! Não vou sair!

Tia Cremilde a caminho de casa depois de uma 6ª feira de exploração laboral pensava:

"Vou chegar a casa, tomar o belo do banhito... pijamita, aquecer jantar, sofá, 4 ou 5 sudokus a acopanhar um cházinho... depois xixi e cama... não vou sair... não posso... quero, mas não posso. Fico em casa. Assim aproveito e descanso... só dormi 5 horas na última noite. Não saio... desligo o telemóvel (o que não ficou esfandegado) para nem cair na tentação. Já não tens 30 anos... não podes andar nisto todos os fins de semana. Não saio, não vou, não não não e não!"
.
.
.
.
.
.
.
.
Fraca!


Hoje estamos com pseudo-ressaca e com um grande peso na consciência!... Que salixe!

4 disseram à tia:

Mulheka disse...
03 novembro, 2007 14:45  

Oh tia!!! Você não tem vergonha??? Já não tem idade para essas coisas! Levou a botija de oxigénio atrás? Espero que ao menos tenha feito isso pah...

Vá, beba um chazinho que isso já passa!

Cati disse...
03 novembro, 2007 19:48  

Hihihi... rules are to be broken - even our own!!!

Kiss kiss auntie!

Daniela Mann disse...
03 novembro, 2007 23:16  

A carne é fraca!!! lolololol

Anónimo disse...
04 novembro, 2007 00:35  

Peso na Consciência? Isso deveria ter acontecido se tivesse ficado em casa.
Se foi sair, divertir-se, sorrir, estar com amigos, então fez o que devia ter feito.
A vida são três dias e dois já passaram.
"E no final das contas não são os anos em sua vida que contam. É a vida nos seus anos." (Abraham Lincoln)

Enviar um comentário